Fernanda Montenegro

Cristina Granato

Ajude-nos a atualizar seu perfil.
Envie suas informações para quemequem@filmeb.com.br

Atividade: 
Atriz

Nasceu no Rio de Janeiro, em 1929, e iniciou a carreira aos 15 anos, como locutora e atriz na Rádio MEC. Em quase 60 anos de carreira, atuou em dezenas de peças, novelas, minisséries e participou de mais de 20 filmes. Foi casada por mais de 50 anos com o diretor e ator Fernando Torres. Estreou no cinema em 1965, como protagonista de A falecida, de Leon Hirszman. Nos anos seguintes, se destacou por suas atuações em Pecado mortal, de Miguel Faria Jr, Tudo bem, de Arnaldo Jabor e Eles não usam black tie, de Leon Hirszman. Em 1998, protagonizou Central do Brasil, de Walter Salles, filme que se tornou um ícone da retomada do cinema brasileiro, em atuação pela qual foi premiada nos festivais de Berlim e Havana, além de ter sido indicada ao Óscar, ao Globo de Ouro e ao BAFTA de Melhor Atriz. Em 2004, recebeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Tribeca, por seu papel em O outro lado da rua, de Marcos Bernstein e atuou no longa metragem Redentor, de seu filho Cláudio Torres. Ao lado da filha, Fernanda Torres, protagonizou o longa-metragem Casa de areia (2005), de Andrucha Waddington, escrito especialmente para ter as duas atrizes nos papéis principais. Em 2007, participou do elenco multinacional da produção americana Amor nos tempos do cólera, de Mike Newell, baseada na obra de Gabriel Garcia Márquez.

Filmografia selecionada:
 

  • O beijo no asfalto (2017), de Murilo Benício
  • Boa sorte (2014), de Carolina Jabor
  • Infância (2014), de Domingos Oliveira
  • O tempo e o vento (2013), de Jayme Monjardim
  • A dama do Estácio (2013), de Eduardo Ades
  • As aventuras de Agamenon, o repórter (2012), de Victor Lopes. Como narradora.
  • Amor nos tempos de cólera (2007), de Mike Newell.
  • Casa de Areia (2005), de Andrucha Waddington.
  • Redentor (2004), de Cláudio Torres.
  • O outro lado da rua (2004), de Marcos Bernstein. Prêmio de Melhor Atriz no Festival de Tribeca 2004.
  • O auto da compadecida (2000), de Guel Arraes. Grande Prêmio Cinema Brasil de Melhor Lançamento.
  • Gêmeas (1999), de Andrucha Waddington.
  • Traição (1998), de Claudio Torres, José Henrique Fonseca e Arthur Fontes .
  • Central do Brasil (1998), de Walter Salles. Urso de Prata de Melhor Atriz e Urso de Ouro de Melhor Filme no Festival de Berlim. Prêmio de Melhor Atriz no Festival de Havana. Indicado ao Oscar de Melhor Atriz e de Melhor Filme Estrangeiro. Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Atriz em Drama e vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro. Vencedor do BAFTA de Melhor Filme Estrangeiro.
  • O que é isso, companheiro? (1997), de Bruno Barreto. Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
  • Veja esta canção (1994), de Carlos Diegues.
  • Fogo e paixão (1987), de Isay Weinfeld e Márcio Kogan.
  • A hora da estrela (1985), de Suzana Amaral.
  • Eles não usam black tie (1981), de Leon Hirszman. Leão de Ouro no Festival de Veneza.
  • Tudo bem (1978), de Arnaldo Jabor. Prêmio de melhor filme no Festival de Brasília.
  • Marília e Marina (1977), de Luís Fernando Goulart.
  • A vida de Jesus Cristo (1971), de José Regattieri.
  • Minha namorada (1970), de Zelito Viana e Armando Costa.
  • Pecado mortal (1970), de Miguel Faria Jr. Vencedor do prêmio da crítica do Festival de Brasília. Selecionado para o Festival de Veneza.
  • Em família (1970), de Paulo Porto.
  • A falecida (1965), de Leon Hirszman. Prêmio de melhor atriz na Primeira Semana do Cinema Brasileiro.