Matheus Nachtergaele

Ricardo Gama
Matheus Nachtergaele

Ajude-nos a atualizar seu perfil.
Envie suas informações para quemequem@filmeb.com.br

Atividade: 
Ator, Diretor

Ator nascido em São Paulo, em 1969, filho do ator belga Jean-Pierre Nachtergaele, começou no Centro de Pesquisa Teatral de Antunes Filho e na companhia Teatro da Vertigem, quando chamou atenção por seu trabalho em O livro de Jó, de 1995. Estreou no cinema como o guerrilheiro Jonas de O que é isso, companheiro? (1997), de Bruno Barreto. Na televisão, trabalhou em várias minisséries de sucesso, entre elas O auto da Compadecida, com direção de Guel Arraes, que em 2000 chegou às telas de cinema em versão reduzida. Por esse trabalho, recebeu o prêmio de melhor ator no Grande Prêmio Cinema Brasil. Foi um dos poucos atores profissionais escalados para Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles, que recebeu no Festival de Havana um prêmio especial para o conjunto do elenco. Em 2008, lançou seu primeiro longa como diretor, A festa da menina morta, produzido por Vânia Catani. O filme foi selecionado para a mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes e recebeu no Festival de Gramado 2008 os prêmios de melhor ator, melhor fotografia, melhor música, melhor filme do júri popular e prêmio da crítica. No Festival do Rio 2008, também levou os prêmios de melhor direção ficção e melhor ator.

Filmografia selecionada:

Ator

  • Zama (2018), de Lucrecia Martel. Indicado ao prêmio de melhor ator no Prêmio Platino do Cinema Ibero-americano.
  • Mãe só há uma (2016), de Anna Muylaert
  • A serpente (em finalização), de Jura Capela
  • Big jato (2015), de Claudio Assis. Prêmio de melhor ator no 48º Festival de Brasília (2005). 
  • Sangue azul (2014), de Lírio Ferreira
  • Serra pelada (2013), de Heitor Dhalia
  • Febre do rato (2011), de Claudio Assis
  • O bem amado (2010), de Guel Arraes
  • Birdwatchers (2008), coproduçao ítalo-brasileira, de Marcos Bechis
  • Baixio das bestas (2007), de Cláudio Assis
  • Journey to the end of the night (2006), do norte-americano Eric Eason rodado no Brasil.
  • Tapete vermelho (2005), de Luiz Alberto Pereira. Prêmio de melhor ator no 10º Cine PE e no 10º Festival de Miami.
  • Árido movie (2005), de Lírio Ferreira
  • A concepção (2005), de José Eduardo Belmonte
  • Nina (2004), de Heitor Dhalia
  • Os narradores de Javé (2003), de Eliane Caffé
  • Amarelo manga (2003), de Cláudio Assis
  • Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles. O filme recebeu no Festival de Havana um prêmio especial para o conjunto do elenco.
  • Bufo & Spallanzani (2001), de Flávio Tambellini
  • Castelo rá-tim-bum (2000), de Cao Hamburger
  • O primeiro dia (1999), de Walter Salles e Daniela Thomas. Prêmio de melhor ator no Grande Prêmio Cinema Brasil.
  • O auto da compadecida (2000), Guel Arraes. Prêmio de melhor ator no Grande Prêmio Cinema Brasil.
  • Central do Brasil (1998), de Walter Salles
  • Kenoma (1998), de Eliane Caffé
  • Anahy de las Misiones (1997), de Sérgio Silva

Diretor

  • A festa da menina morta (2008). Selecionado para a mostra Um Certo Olhar do Festival de Cannes. Prêmios de melhor ator, melhor fotografia, melhor música, melhor filme do júri popular e prêmio da crítica no Festival de Gramado 2008. Prêmios de melhor direção ficção e melhor ator no Festival do Rio 2008.