»    Acesso assinante Filme B:        Assine o Filme B | Central do assinante
 



  O novo 3D em 20 perguntas e respostas




    Publicado em novembro de 2009 – Revista Filme B Edição Especial

   Por Luiz Gonzaga de Luca


1.QUAIS SÃO AS TECNOLOGIAS DE EXIBIÇÃO EM 3D DIGITAL DISPONÍVEIS NO MERCADO? QUAIS SÃO AS EMPRESAS QUE AS PRODUZEM? ESSAS TECNOLOGIAS SÃO COMPATÍVEIS?

Antes de chegar aos cinemas, a tecnologia digital 3D já era amplamente utilizada, por meio de dezenas de processos estereoscópicos diferentes, em áreas industriais (como a indústria petrolífera), na medicina e, principalmente, na arquitetura. No caso específico da projeção digital em 3D para cinemas, porém, existem apenas quatro processos: o Real D, que foi pioneiro com o lançamento do filme O galinho Chicken Little, em 2005; o Dolby 3D; o XpanD e o coreano Master Image (este, menos conhecido, é utilizado em apenas 85 cinemas, quase todos na Ásia, motivo pelo qual não o abordaremos com detalhes).

2. QUAIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE CADA TECNOLOGIA 3D?

Todos os quatro sistemas apresentam vantagens e desvantagens. Um fator comum a todos eles é que utilizam óculos polarizados e, por conta disso, há um alto percentual de perda de luz. O Real D é, atualmente, o líder de mercado, principalmente nos EUA, onde está presente em quase 70% das salas com tecnologia 3D. No caso desse processo, há uma grande perda de luz, sendo necessário utilizar uma tela de alto ganho – tipo Perlux (fator 1.8) ou Spectral (fator 2.2 ou 2.4) –, e que tem alto custo: cerca de US$ 70 a US$ 85 por metro quadrado (preço FOB, ou seja, preço de fábrica). Outra desvantagem é a formação de ghosting, que são os “fantasmas” na sobreposição da imagem, embora a empresa venha aperfeiçoando esse aspecto nas matrizes. Contudo, a questão mais sensível no Real D não é tecnológica, mas financeira. Além de se cobrar o software e os acessórios para o processamento 3D, que custam em média US$ 25 mil, também é cobrada uma licença que precisa ser renovada anualmente, próxima a US$ 10 mil. O Dolby 3D, por sua vez, tem como uma de suas vantagens a própria marca Dolby. A empresa tem tradição no mercado e é líder nas tecnologias de som. Embora o sistema 3D da empresa também tenha uma grande perda de luminosidade (que pode passar de 65%), ela não exige a instalação da tela de alto ganho, o que representa uma significativa economia no investimento. Além disso, a Dolby cobra apenas a venda do software e dos acessórios de adaptação, não havendo taxas anuais.

O XpanD, teoricamente, é o melhor sistema, por perder menos luz e também por não exigir telas especiais. O fato de utilizar a mesma matriz do Dolby 3D compensa sua maior deficiência: a falta de tradição da empresa na indústria cinematográfica. O custo de adaptação é baixo, mas, em compensação, os óculos, que precisam utilizar lentes de cristal líquido (LCD), custam mais caro e têm se mostrado frágeis.

3. TODOS OS PROJETORES DIGITAIS PODEM EXIBIR FILMES EM 3D?

A projeção estereoscópica digital em 3D só se tornou viável por causa do estabelecimento dos parâmetros dos projetores pelo DCI (Digital Cinema Initiative). Eles têm a capacidade de processar imagens em altíssima velocidade, de até 144 quadros por segundo, e são extremamente luminosos, tornando possível a projeção com duas imagens polarizadas (mesmo que, para isso cheguem a perder até 80% da luminosidade). Para exibir imagens estereoscópicas em projetores digitais mais simples seria necessário usar dois projetores simultaneamente, o que resolveria o problema da luminosidade. Em compensação, não resolveria a questão do processamento da imagem, já que os servidores e projetores sem os requisitos DCI, devido às características de compressão da imagem, não conseguem alcançar a mesma rapidez.

4. O TAMANHO DA TELA FAZ DIFERENÇA NA ESCOLHA DAS TECNOLOGIAS E EQUIPAMENTOS? HÁ ALGUM LIMITE DO TAMANHO DE TELA?

Sim. Um projetor DLP-Cinema de 18,5 mil lumens é adequado para projeções Cinemascope 2D em telas mate (ou seja, a tradicional) de até 13 metros. No caso das projeções estereoscópicas, esse projetor tem um limite de oito metros com telas mate e de dez metros com telas de alta reflexão (fator 1.8 – tipo Perlux). Os projetores de até 30 mil lumens são recomendados para projeções 2D em telas (fator 1.8) com até 22 metros de largura. Nas projeções 3D, estas caem para 13,5 metros de largura. A partir destas dimensões, é recomendável utilizar dois projetores ao mesmo tempo, para aumentar a luminosidade da projeção. Vale ressaltar que é preciso ter cuidado com a indicação de luminosidade ou luminância, pois tal indicação depende da forma como foi medida.

5. NÃO HÁ RISCOS DE SE REPETIR O MESMO PROBLEMA DO SOM DIGITAL, QUANDO TRÊS SISTEMAS DIFERENTES E INCOMPATÍVEIS FORAM LANÇADOS E APENAS UM SOBREVIVEU?

Os especialistas afirmam que esse risco não existe, porque os projetores DLP Cinema servem para todos os sistemas 3D. A Dolby é uma respeitada empresa que trabalha na atividade cinematográfica há muitas décadas. Líder mundial, a Real D, embora nova no setor, é uma empresa tradicional em informática (diferentemente da DTS, que era uma empresa totalmente nova, ou da Sony, que até aquele momento nunca havia lançado equipamentos para cinema). Os maiores receios recaem sobre a Xpand, que é uma empresa de capital esloveno, país de pouca tradição tecnológica.

6. AS MAJORS APOIAM ALGUM SISTEMA DE PROCESSAMENTO EM 3D EM ESPECIAL?

Não. A matriz “bruta” do filme (DSM – Digital Source Master), equivalente ao negativo em película, não se encontra em nenhum sistema ou formato destinado especificamente ao 3D, podendo ser adaptada para qualquer sistema. Como o Xpand utiliza a mesma matriz de distribuição (DCDM – Digital Cinema Distribution Master) que o Dolby 3D, os estúdios estão oferecendo matrizes nos dois sistemas: Real D e Dolby 3D, atendendo, portanto, aos três sistemas.

7. QUANTO CUSTA UM CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS E OS SOFTWARES PARA A EXIBIÇÃO EM 3D?

Para telas pequenas de até dez metros (com tela mate), o conjunto de aparelhos e softwares custará algo entre US$ 115 mil e US$ 130 mil. Para telas maiores, o conjunto custará de US$ 135 mil a US$ 145 mil. Esses custos incluem o projetor, o servidor, os acessórios de interligação, o processador 3D, os óculos e uma máquina de lavagem para os óculos. No caso do sistema Real D, o investimento inicial em softwares e adaptações é cerca de US$ 10 mil mais barato que os seus concorrentes, mas, em compensação, é preciso computar o custo da tela de alta reflexão e os fees anuais. Para se calcular o preço final da importação, de forma grosseira, pode-se aplicar sobre o valor FOB (de fábrica) os impostos e os fretes, que podem chegar a algo em torno de 50% a 75%, dependendo do ICMS do estado federativo do importador. Recentemente, o estado do Rio de Janeiro passou a oferecer isenção de ICMS – a alíquota era de 18% sobre o custo final.

8. OS DISTRIBUIDORES PAGAM ALGUM VALOR ADICIONAL (VIRTUAL PRINT FEE) PARA O FORNECIMENTO DE CÓPIAS DIGITAIS EM 3D?

Os distribuidores entendem que a cobrança de um valor mais alto de ingresso e o aumento da frequência de público nas exibições em 3D são suficientes para que os exibidores recuperem os investimentos a longo prazo. Ademais, argumentam que a digitalização das salas é mais importante, pois solucionaria, inclusive, os problemas de aquisição para as projeções 3D, já que o projetor é o mesmo. Em territórios específicos, alguns distribuidores têm liberado um pequeno valor de contribuição para incentivar a instalação dos sistemas 3D nos cinemas. De toda forma, essas contribuições são inferiores aos valores dos vpfs, que são as compensações que os estúdios pagam aos cinemas que substituem o 35mm pelo digital.

9. O DISTRIBUIDOR PARTICIPA DO PAGAMENTO DOS ÓCULOS? OS ÓCULOS UTILIZADOS NAS PROJEÇÕES 3D SÃO DESCARTÁVEIS? ELES PODEM SER REAPROVEITADOS?

A Real D utilizava apenas óculos descartáveis que tinham um custo FOB de US$ 0,75. Os distribuidores fornecem esses óculos gratuitamente para os cinemas. Não há, contudo, nenhum compromisso firmado para que isto continue assim. No Brasil, a Cinemark e a Uci -Ribeiro (no NorteShopping, Rio de Janeiro) têm reciclado os óculos, lavando-os até três vezes. A Real D anunciou o lançamento de óculos que permitem até 50 usos e que têm um custo mais elevado. Nesse caso, o distribuidor não participa da compra. A Real D tem proposto também o lançamento de óculos que serão adquiridos pelo espectador, podendo ser customizados ao seu desejo. A Ray-Ban já anuncia esta alternativa, inclusive ofertando óculos com correção de grau.

No caso do Dolby 3D, os óculos podem ser utilizados entre 500 e 600 vezes. O custo dos óculos da Dolby gira em torno de US$ 30, mas a empresa tem feito promoções por até US$ 15, como para o lançamento de Avatar.

No caso do Xpand, os óculos são bem mais caros e sofisticados, pois pulsam em sincronia com sinais infravermelhos. O preço dos óculos gira em torno de US$ 55 e eles podem ser utilizados na mesma quantidade de vezes que o Dolby. O problema com este sistema é que os óculos podem ter problemas com a bateria elétrica e com seus conectores. Outro problema é o rompimento da cápsula de LCD (cristal líquido), que vaza. Recentemente, foi lançado um modelo que pretende corrigir tais problemas. Apenas os óculos descartáveis da Real D exigem a aquisição de uma lavadora especializada. Elas trabalham em alta temperatura, esterilizando e aplicando líquidos secantes que evitam as manchas provocadas pelas gotas d’água. Além da lavadora, é recomendável a compra de dispositivos antifurto, como os usados nas lojas de departamentos, que disparam um alarme quando alguém atravessa transportando os óculos. Esses podem ser de fabricação nacional, em modelos que ajustam a frequência de uso. Outra recomendação importante é que se tenha o dobro de óculos da lotação do cinema, visto que enquanto um grupo de óculos é usado, o outro é lavado.

10. OS EXIBIDORES PODEM COBRAR VALORES ADICIONAIS NO INGRESSO PARA A EXIBIÇÃO DE FILMES EM 3D? COMO ESSE VALOR É CALCULADO?

O exibidor tem a liberdade de cobrar o preço que lhe interessar. No Brasil, os principais exibidores têm cobrado um valor adicional entre R$ 5 e R$ 8. Se, por exemplo, o preço é de R$ 18, o valor do ingresso ficará entre R$ 23 e R$ 26. A questão é que este adicional não pode ser destacado do preço final, permanecendo o direito da meia-entrada – portanto, o distribuidor terá direito a participar sobre o valor total do preço da entrada. Nos três primeiros lançamentos realizados pela PlayArte em 3D, foi permitido que o exibidor retivesse todo o valor adicional. Esta fórmula, porém, não foi aceita por nenhum outro distribuidor.

11. É NECESSÁRIO TROCAR A TELA DOS CINEMAS QUE PROJETARÃO FILMES 3D?

A troca da tela mate por telas de alta reflexão (fator 1.8 ou 2.2) só é recomendada quando se utiliza o processo Real D ou quando se estiver no limite da luminosidade dos projetores digitais, o que pode evitar a aquisição de um projetor de maior luminosidade ou de um segundo projetor para telas maiores que 13,5 metros de largura.

12. O EXIBIDOR PODE OBTER PATROCÍNIOS E MERCHANDISING PARA AS PROJEÇÕES 3D?

Pode, desde que não se vincule o patrocínio com os personagens ou com os direitos promocionais do filme em exibição.

13. OUTROS TIPOS DE CONTEÚdO PODEM SER EXIBIDOS NOS EQUIPAMENTOS 3D? E FILMES DIGITAIS COM A RESOLUÇÃO 1,3K (TIPO RAIN NETWORkS) OU 2K (PADRÃO DCI)?

O projetor DLP Cinema usado nas projeções estereoscópicas é o mesmo projetor no padrão DCI. Com poucas operações rotineiras ele realiza projeções de filmes digitais em 2D no padrão DCI. Além disso, também está apto a exibir outros formatos. Os fabricantes produzem switchers que selecionam o tipo de material fornecido, seja por meio de processadores digitais, seja de gravadores (Betacam digital, DVCam, DVD, Blu-ray), remetendo o sinal ao projetor de forma adequada.

14. TODO FILME EM 3D ESTÁ DISPONÍVEL NO FORMATO IMAX?

Não. A IMAX produz conteúdos específicos para seus cinemas, com formatos e proporções de telas e sonorizações diferentes do cinema tradicional. O que de fato mudou é que a IMAX deixou de usar os projetores 15/70mm para dispor de dois projetores digitais que exibem nas mesmas telas e proporções dos sistemas de projeção anterior. Apenas alguns blockbusters são lançados também em IMAX, nem todos em 3D.

15. O PROJETOR SXR D DA SONY (4K) PERMITE A PROJEÇÃO DE FILMES EM 3D?

15 Só recentemente os projetores SXRD fabricados pela SONY, aptos para exibir filmes em uma resolução ainda maior (4K), estão sendo adotados para projeções em cinema, devido à sua pouca luminosidade e ao seu complexo processamento de quatro chips simultâneos com 1K de resolução cada. Os processos estereoscópicos utilizados nos projetores DLP Cinema não são compatíveis com esse tipo de projetor. A Real D lançou um processo totalmente diferente dos demais, que vem sendo adotado por algumas empresas, com bons resultados.

16. OS SISTEMAS DE PROCESSAMENTO 3D SÃO DEFINITIVOS OU HAVERÁ OUTRAS TECNOLOGIAS QUE VÃO SUCEDÊ-LOS?

Os especialistas acreditam que os atuais sistemas estereoscópicos serão aperfeiçoados, melhorando a resolução e a nitidez da imagem. Porém, já existem outros processos, em desenvolvimento, que dispensam o uso dos óculos. Um deles pode ser visto no site www.musionmedia.co.uk.

17. O GOVERNO TEM ALGUM PLANO PARA DIGITALIZAR CINEMAS 3D?

O governo, por meio da Ancine e do BNDES, estuda algumas formas de financiamento destinadas à digitalização das salas de cinema no Brasil, com a preocupação mais específica que se atenda a todos os cinemas no país e não apenas aqueles com maior potencial econômico. Não há qualquer estudo ou plano específico para os cinemas 3D.

18. O 3D É UMA MODA QUE PASSARÁ LOGO OU ELE VEIO PARA FICAR?

Como existem pesquisas que levam ao 3D sem óculos e também estudos para a introdução da projeção tridimensional no homevideo e na televisão, indica-se que a projeção 3D será uma tendência de longo prazo, assim como o som e a cor foram no passado. As projeções 3D já estão sendo usadas para transmitir espetáculos esportivos e musicais. Nem todos os filmes utilizarão essa tecnologia. É importante lembrar que, entre a sala de cinema e as tecnologias de alta definição domésticas, as projeções 3D em tela grande são um importante diferencial.

19. QUANDO O 3D CHEGARÁ AO DVD E À TELEVISÃO?

Esta é uma questão controversa. Os estúdios anunciam que, em breve, lançarão o 3D em homevideo, mas as tecnologias existentes ainda não permitem uma exibição de boa qualidade.

A digitalização das transmissões de televisão está apenas começando, com uma resolução de imagem muito inferior ao necessário para projeções tridimensionais. A NHK, a emissora que é conhecida como a vanguarda das tecnologias da televisão, sugere que as exibições 3D para as emissoras só começarão em 2025.

20. HÁ POSSIBILIDADE DE SE TER UM SISTEMA 3D COM BOA QUALIDADE UTILIZANdO A PELÍCULA DE 35MM?

As exibições 3D em película de 70mm (IMAX) têm altíssima qualidade, superior à dos sistemas digitais 3D. O mecanismo é complexo e caro, com a projeção simultânea de duas cópias 70mm a 48 quadros por segundo. Recentemente, a IMAX começou a substituir seus projetores 70mm por dois projetores digitais de alta luminosidade. As projeções 3D em 35mm sempre foram deficientes. Contudo, a Technicolor desenvolveu um sistema de projeção que foi apresentado no último ShowEast. Aqueles que viram os seus testes ficaram satisfeitos. Alguns estúdios, porém, não concordaram em ofertar seus títulos no sistema, especialmente a Disney/Pixar e a Fox, que têm lançamentos importantes em 3D. Outra reação negativa partiu de alguns exibidores norteamericanos. Eles avaliam que a exibição em qualidade inferior poderá prejudicar a imagem pública do 3D junto aos espectadores, afetando a confiança em sistemas de projeção digitais, nos quais essas empresas fizeram pesados investimentos. É cedo para avaliar a repercussão da oferta da Technicolor, mas é bom lembrar que esse laboratório tem grande prestígio e pertence à Thomson, um grande conglomerado das telecomunicações.

Topo  
 


 Matérias especiais


Cinema com Nachos
ShoWest
Entrevista Luciane Gorgulho
Depois da retomada
Focus 2009 publica balanço da América Latina
Efeito dominó - Como a queda do mercado de DVDs no Brasil pode afetar o cinema
Entrevista Marcelo Carvalho
Entrevista Jorge Peregrino
O caminho das co-produções
Atlas reúne dados de cinema em 34 países
Cinema digital em 20 perguntas e respostas




 Próximos lançamentos


Calendário de estreias
Calendário de estreias nacionais
Calendário de estreias 3D
Calendário de estreias especiais

 Agenda

 Página VIP

 
    © Copyright Filme B. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento: Presto Design